domingo, 27 de outubro de 2013

Reutilizando ponteiras de multi-testes velhas e com pontas gastas.

Sempre me deparei com dezenas de pares de cabos de teste dos multímetros, com pontas desgastadas, seja pelo uso ou por acidentes, geralmente curto-circuitos e lá se foi a pontinhas e o material que recobre as pontas, e dai em diante em poucas utilizações a ponta se corrói e acabamos por encostas as ponteiras.


A proposta a seguir é dar utilidade a elas, e com sobras de tubos termo retráteis que ficam pela bancada, dar um acabamento simples e eficaz já que só a ponta que nos interessa ficará a mostra, para fazer o furo, utilizei uma broca de 0,95 mm de aço rápido.


A primeira coisa a se fazer é um furo de 0,9mm ou 1,0mm pouco acima do ângulo da ponta, esse diâmetro é proposital, pois é a medida do pinos dos conectores sinal empregados nas placas do eletro-eletrônicos e também a medida dos pinos das barrinhas de pinos que utilizamos nas montagens.

Notem que fácil até para prender componentes em medições ou testes, além de ser muito simples sua fixação nos pinos das placas, alguns pinos tem espessura diagonal de 0,8 mm se levamos em conta isso, podemos para as ponteiras com pontas mais finas utilizar uma broca de 0,8 mm, pois devemos levar em consideração o quanto vai ficar de estrutura nas laterias do furo, nas ponta de cobre, se ficar muito fina, se quebrará facilmente, também é recomendado fazer os furos prendendo as ponteira em um trono mecânico (morsa)

Utilizo estas ponteiras tanto para alimentação como para medições, assim é comum pendurar até 3 pares de ponta de testes sobre o equipamento e ficar com as mãos livres, para realizar outras medições e ou acionar outros equipamentos na bancada. Em alguns casos as ponteiras poderão ficar desajeitadas e ou girar e encostar uma na outra, para isso basta uma simples inversão de um ponteira para o outro lado e se resolve.

Boas idéias e até a próxima.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Mini Amplificador de Áudio

Este artigo é inspirado na publicação da revista Saber Eletrônica edição de 1977, número 64, uma das primeiras revista de eletrônica que ganhei quando pequeno, na época esta revista já tinha 10 anos, mas estava inteirinha, e outro dia na mudança dos móveis na oficina, andei separando algumas revistas e artigos que acho interessante relembrar.
O artigo é assinado pelo nosso saudoso e lendário Newton C. Braga, se quando comecei era o máximo tirar 1W de meia dúzia de componentes comuns, imaginem na década de 70, este pequeno amplificador fora vital para que fosse possível ouvir meus LPs, lembro de que era uma vitrola recuperada das baratas e que sobrara somente a caraça, a placa havia sido devorada, de posse da estrutura, foi fácil instalar duas pequenas plaquinhas (uma da revista) e outro feita co caneta retroprojetor, sim já fiz muito disso no passado.
O circuito em simetria complementar suporta 100mA e máximo de 12V, aonde é possível conseguir um 1W com boa qualidade, o interessante é que este circuito, no artigo tinha inúmeras aplicações, aonde alterando o gando da etapa pré amplificadora, sua utilização iria de um toca-disco com capsula cerâmica, á rádio de ondas médias. Os valores dos componentes, recomendo adquirirem a revista, pois vale muito a pena, já para esta versão proposta, obtive um bom resultado com este valores abaixo, utilizando para testes na bancada, amplificador de desktop.

Lista de material: R1=220R, R2=330K, R3=15K, R4=330K, C1=100uF, C2=220uF, C3=10uF, C4=100nF, C5=2,2nF, D1 e D2=1N4148, Q1=BC557, Q2, Q3 e Q4= BC547.

Estou trabalhando na versão SMD, ainda me falta resolver a questão dos capacitores eletrolíticos, pois mesmo sendo em miniatura, são relativamente grandes, as imagens acima estão nas medidas corretas, 23,42x 26.59 mm, um desafio e tanto manusear uma montagem deste tamanhinho, o resultado vale muito o custo, em breve colocarei uma sequencia de fotos da montagem deste kit.

Boa montagem e até a próxima.