sábado, 9 de novembro de 2013

Carga resistiva para testes de amplificadores

No passado, quando trabalhava com manutenção de eletrônicos, logo no inicio da profissão, optei por trabalhar com áudio mesmo que não desse muito retorno na época, era o que achava simples e fácil de entender e então os reparos, adaptações e criações sempre surtiam em um bom trabalho e os ouvidos agradeciam. Eis que me pego outro dia desenhando uma plaquinha de um amplificador antigo conhecido como OCL, muitos vão dizer que é isso e que é aquilo, mas a diferença é; fazer e curtir ou apenas não fazer e continuar afirmando que é ruim, mas os resultados são bem interessantes, e os "probleminhas" são facilmente contornados, e poderão acompanhar nos tópicos a seguir.

Teste de amplificador OCL transistores de saída para 100W em 2 Ohms. Sim o trafo é de 5 Amperes :)
Notei logo de cara que há uma leve distorção quando o nível de sinal é baixo, coisa de 2 á 3 watts, devido a não conter o circuito de bias, porém outras vantagens são bem mais interessantes, como poucos componentes, não precisa de capacitor de acoplamento e nem de componentes com grandes voltagens, e quando não há sinal na entrada o consumo é zero, nos testes que venho realizando, notei que algumas frequências altas arranham os tweeters piezoelétricos, isso chega a dar uma gastura, mas com o volume aberto isso praticamente não acontece, e que também deve-se respeitar a impedância de entrada, dependendo da fonte de sinal, a distorção aparece ou não, e se a qualidade do áudio for ruim, vai resultar e um som amplificado ruim. Mas para quem curte um som eletrônico cheio de graves e subgraves, vai se surpreender com o resultado final desse amplificador.


Um dia antes desta postagem tirei o dia para resolver o problema da carga resistiva, revirei minhas gavetas, caixas, e gaveteiros e me deparei com dezenas de resistores de 8R2  por 7 watts, algumas continhas feitas e vi que facilmente teria um arranjo que funciona-se em 2, 4 e 8 Ohms, apenas combinando a ligação dos bornes em uma placa, ao todo foram 16 resistores, a potência final ficou, 2 e 8 Ohms para 112 watts e 2 canis de 4 ohms por 56 watts, isso para pequenos amplificadores ficou bem usual, e compacto, provavelmente coloque um dissipador sobre os resistores com uma refrigeração para dar algum tempinho a mais nos testes.

Bom até esse momento tinha em mãos, a fonte, a placa do amplificador e a placa da carga da carga, também foi preciso preparar os cabinhos e garras jacaré, nestas foram descartadas as borrachas e no lugar foi encolhido um pedaço de termo retrátil, sim elas continuam com pressão sobre os pinos que serão fixadas, mas elas só abriram coisa de 1 a 2 mm, o suficiente para um terminal de placa, com a vantagem de não encostar uma na outra.

As características dos itens:
- Fonte simétrica de 28V por 5A, diodos da fonte de 10A, capacitores de filtro com 9.400uF.
- Placa do amplificador com transistores para 100 Watts em 2 ohms.
- Placa da carga com potência de 112 Watts de dissipação.

Ainda faltou a fonte de sinal, pensei em construir um gerador de formas de ondas, ou até mesmo finalizar um outro a base de operacionais que tenho na bancada, mas...Lembrei dos vídeos do youtube com milhares de exemplos sonoros, a placa de som, é uma genérica "Onboard" da placa mãe M2N-X e a qualidade dos vídeos escolhidos fora de 480p, já a resolução da câmera que gravou...240p foi mau! Mas era apenas para mostrar o quanto é simples fazer, e que a maior parte da dificuldade fica por parte das teorias de que não dá certo, é ruim etc...

No vídeo poderão ver que aplicando um sinal de 0,7 V (sinal na placa de áudio) no amplificador na frequência de 100Hz na carga configurada para 2,1 ohms (na verdade era de 100Hz para 5Hz, mas cortei quando era uns 70Hz), obtive uma tensão AC de 16,5 volts que calculando pela lei de ohm (P= V*V/R) deu 272,5 volts / pela carga de 2,1 ohms com resultado de 129.64 Watts.

Claro que nesse valor tem uma grande distorção, não foi observada a forma de onda no osciloscópio, não foi tomada notas de uma série de coisas, mas fiz, está ai os resultados, o amplificador é para uma tensão de 35 volts simétricos e corrente de 3 amperes, minha fonte tem 7 volts a menos e isso deve ser levando em conta, mas se o amplificador é para 100 watts e obtivemos um valor de 129,64 watts com certeza o arranjo do amplificador dá sim os 100 watts  como o projeto propõe.

Nada conclusivo, mas prometo melhorar os aparatos e realizar outros teste e postar aqui, agora que é prazeroso ver tudo funcionando e poder apalpar os resultados, digo isso porque a carga resistiva é fantástica, dentro da potência que pode ser absorvida, ela não esquenta e nem esquenta o amplificador, mas se a potência a ela aplicada fora a mesma ou maior, em poucos segundos ferve tudo, agora fiquei curioso para fazer um teste com a resistência de chuveiro rs, posto o resultado.

Abraço.